terça-feira, 23 de julho de 2019

DISCUSSÃO SOBRE A DATA DAS FESTIVIDADES DE MAKELA DO ZOMBO

Participe na escolha da data! 

13 de Janeiro de 1896
1 de Agosto de 1896
22 de Janeiro de 1914


Várias datas mostram a complexidade evolutiva do povo kongo do Zombo, sendo algumas muito interessantes e outras simbolizando o sofrimento e o desinteresse pela presença de estranhos ao nosso território. É nesta circunstância que urge discutir a datação fundamentada sobre as festividades de Makela do Zombo.
 -Buscar o 1 de Agosto de 1911 em que Makela do Zombo passa a Circunscrição civil, pela Portaria 823 não seria contrariar a essência do progresso desta região, apesar de que, vários benefícios se venham reportar para a administração colonial.

- No entanto, o 13-01-1896 que cria o primeiro Posto Militar do Zombo pela Portaria nº 30 do Governador –Geral de Angola, através da proposta feita pelo Governador do distrito “Congo Português” e seguidamente a 25 do mesmo mês é instalado o posto militar do Zombo. Um ano depois é colocado no Posto militar, a Société Anonime Belika; não nos parece aconselhável, na medida em que a instalação desta força militar justifica um sufocar e opressão do povo zombo.
O ano de 1917 que corresponde com a criação da Sede do distrito do Congo, desmembramento e criação do enclave de Kabinda, que depois passou a Sede do Concelho do Zombo é outra data importante. Infelizmente não existem dia nem mês.

Finalmente, podemos propor para o orgulho da memoria populacional Zombo, a data de 22 de Janeiro de 1914 que exalta o exército português que incendiou muitas populações Zombo, contra as sublevações das populações que se iam consciencializando após, as demarches sucessivas militares de Alváro Buta, contra o exército português sobretudo a segunda invasão de 25 de Janeiro desse ano.
CONCLUINDO:
~Podemos sublinhar ter-se feito uma longa incursão sobre os contornos da vida dos kongo do Zombo e o aclaramento de muitas perturbações psicossociais a que tivera sido submetido.
-Exaltar datas de retomada de consciência para uma glorificação humana anteriormente submetida a uma despersonalização devoradora do valor sócio histórico, poderia ser mais gratificante, se assim fosse a nossa opção.

No entanto, dar significação notável a circunstâncias desfavoráveis ao nosso ser, pode mostrar as nossas limitações psicasténicas de não reconhecimento de si como pessoas e personalidades ao mesmo tempo.

Nova Administracção Comunal de Béu Central

A comuna de Béu, no Município de Maquela do Zombo, Província do Uíge, tem novo Administrador Comunal (Filipe André, do Bairro Benga e Samuel Makengo, Administrador Comunal Adjunto.

Esi Mbewu, tu Vumbuki, kadi malunganene mana mavova, mfumu Ernesto Zakundomba!.


 Ernesto Zakundomba "Esi Mbeu, Luvwati Lamba Lu Ki lambilanga, Ka Luvwati Tunga ko, Lu Tungananga".

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

PRIMEIROS FINALISTAS DA ESCOLA DO II CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO DO BÉU




 REPÚBLICA DE ANGOLA
MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO COMUNAL DO BÉU
ESCOLA DO II CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO DO BÉU

                                     MENSAGEM DO FIM DO ANO LECTIVO 2016


Senhor Sebastião Kissony, Administrador Comunal do Béu e 1º Secretário comunal do MPLA;
Senhora Maria Luzito, Administradora Comunal Adjunta do Béu;
Dr. António Lutetico, Director Municipal da Educação de Maquela do Zombo;
Senhor Dombele António, Coordenador Comunal da Educação do Béu;
Dr. Neves Lundemico Luvunga, Director da Escola do II Ciclo de Maquela do Zombo;
Ilustres autoridades tradicionais e religiosas;
Caros Convidados;


Minhas Senhoras e Meus Senhores.





Pedro Sebastião, Director da Escola

Durante o ano lectivo que hoje termina, foram matriculados no total 215 Estudantes, dos quais 19 do gênero feminino e 196 do gênero masculino. Aproveitamento, 179 aprovados, 14 reprovados e 22 desistentes, obtendo-se como saldo final de 193 Estudantes, onde estão os 78 FINALISTAS, dos quais 73 masculinos e 5 femininos, ambos das Ciências Humanas.


Agradecemos imenso pelo esforço incondicional empreendido pelo nosso executivo, da direcção municipal, especialmente do Director do II Ciclo de Maquela do Zombo, pelo acompanhamento das nossas actividades desde 2014 e os demais que directa ou indirectamente contribuíram para o desenvolvimento desta escola que hoje denominamos ESCOLA DO II CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO DO BÉU. O acto que  testemunhamos, foi um sonho, porém hoje tornou-se uma realidade, apresentarmos o primeiro CURSO dos FINALISTAS em CIÊNCIAS HUMANAS, apesar de imensas dificuldades.



Para terminar, pedimos as nossas autoridades no sentido de consolidar a promessa que nos foi feita o da construção das salas de da Escola do II Ciclo do Ensino Secundário do Béu, cuja primeira PEDRA foi lançada em 04 de Abril de 2013, por Sua Exa. O Governador da Província do Uíge, Paulo Pombo, e a reparação dos troços rodoviários que ligam as comunas de Béu, Cuilo Futa e Sacandica da Sede do Município, que se encontram em péssimas condições.

"Lumbu yakwiza, tutungisa diaka nzo nkaka, sikola, administrador municipal wansongese kala efulu kina kia tungilwa sikola mpasi vo, wan’eto alongokilanga, kansi mpe ka sikola kaka ko,wavo wana nkaka tukanga kwa nda, mu diodio twatunga diaka fulu kina vo, bakala lekanga (isiavo) internato,owana akwiza longokilanga kuaku Mbeu bakala kuaku yo vana bamanisa kalasi, yo sisa Mbeu, mu landila diaka kalasi ya nkaka, kuna bazola." promessas do Governador da Provincia do Uíge, Paulo Pombolo.



Foi nesse local em que fora lançada a primeira PEDRA, para construção da referida Escola.



Pedro Sebastião,
Director da Escola do II Ciclo do Ensino Secundário do Béu, a esquerda;
Senhor Sebastião Kissony, Administrador Comunal do Béu e 1º Secretário comunal do MPLA, a meio;
Senhora Maria Luzito, Administradora Comunal Adjunta do Béu;







FINALISTAS EM CIÊNCIAS HUMANAS
















FINALISTAS EM CIÊNCIAS HUMANAS





































DANÇARINOS DO GRUPO-MUSICO CULTURAL DO BÉU "MFUKIYOKA-YOKA NTIMA"

segunda-feira, 11 de abril de 2016

ANGOLA - CRIAÇÃO DE NOVAS PROVINCIAS EM PROJECTO



O ministro da Administração do Território, Bornito de Sousa, disse na quinta-feira, em Ndalatando, Cuanza Norte, que está a ser preparado um novo ordenamento político-administrativa para as províncias do Moxico e Cuando Cubango.
2 de Abril, 2016

Os fundamentos e princípios gerais deste plano de reestruturação foram revelados pelo ministro durante um seminário sobre o Plano Estratégico da Administração do Território “Planet 2025/2030”, dirigido a quadros dos governos provinciais do Cuanza Norte, Malanje e Uíge.
Neste projecto de reestruturação, segundo Bornito de Sousa, está previsto que a província do Moxico seja repartida em três e a do Cuando Cubango em duas. A alteração terá certamente influência na organização interna das duas províncias, frisou.
Bornito de Sousa explicou que o projecto de reestruturação levou em consideração um conjunto de factores como as dimensões territoriais de ambas as províncias e a necessidade de evitar a despovoamento de grande parte do espaço nacional, que pode favorecer uma invasão silenciosa por parte de habitantes dos países fronteiriços.
O ministro referiu que o projecto de reestruturação está ainda em fase de estudo, devendo ser analisado pelo Conselho de Ministros e, posteriormente, pela Assembleia Nacional para a sua aprovação.
Bornito de Sousa explicou que esta medida enquadra-se na reorganização do território, visando uma melhor prestação de serviços aos cidadãos e fazer uma melhor distribuição de infra-estruturas.
O Governo central fez um levantamento a nível de todos os municípios para conhecer com detalhe a situação de cada um deles, antes da elaboração de programas de desenvolvimento local. O director do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatísticas do Ministério da Administração do Território, Nazário Vilhena, disse que a proposta de divisão administrativa do Moxico e Cuando Cubango se insere no espírito do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) a longo prazo e deverá obedecer às orientações políticas e técnicas que os estudos em curso vierem a definir.
http://jornaldeangola.sapo.ao/politica/criacao_de_novas_provincias_em_projecto

sábado, 13 de fevereiro de 2016

A Comuna de Béu é vista como uma mãe abandonada


A vila de Béu Central ou Comercial, é VISTA como uma mãe abandonada pelos seus filhos. Eu já construi... que espera você... para consolar a nossa mãe, já na idade avançada?

Esteja onde estiver, pode construir para que a beleza da nossa mãe se mantenha.Estar na Diaspora não impedir cuidar sua mãe, apoiá-la nas suas necessidades.Como esperam ela elevar-se a municipio, no estado que se em que se encontra abandonada?. Hoje, o Estado Angolano, para cumprir o seu Programa, construiu o Centro Médico Comunal, reabilitou as escolas, ergueu a nova administração, fez chegar a agua potavel, os trabalhos da brita na via que liga Maquela do Zombo a comuna de Béu, já são um facto consumado, aguardando os trabalhos de asfalto, quando você pensa iniciar o seu para ajudar sua mãe?. É tempo de Reflectirmos juntos, em ajudar a nossa mãe, para que não se sinta sempre abandonada pelos seus filhos. As Associações que continuam crescer, deveriam reflectirem na ajuda no nosso povo abandonado. Receber ajudas e aplicá-los em outras localidades é um crime.

YETU KULU TUKALA MU NKUTU MOSI, TWATUNGA E NSI'ETO MBEWU MA NTUFU.

Visita a Misteriosa Lagoa do Vamba

colhendo folhas de mfumbwa, nas margens do rio vamba.